Pol Pi

27/10 | 19h | Teatro Patativa do Assaré, SESC – Juazeiro do Norte
28/10 | 21h | Teatro Alternativo de Itapipoca  – Itapipoca
29/10 | 20h | Teatro Dragão do Mar, CDMAC - Fortaleza
ANO DE 
CRIAÇÃO
2017
DURAÇÃO
50 min
CLASSIFICAÇÃO
INDICATIVA
LIVRE

Ecce (H)omo

Passar de um corpo para outro, de uma língua para outra, de uma história para outra. Ecce (H)omo é um desejo de reflexão sobre a noção do legado na dança através de uma interpretação do grupo de dança Afetos Humanos, da coreógrafa alemã Dore Hoyer (1911-1967). Este grupo, criado entre 1959 e 1962, é composto de cinco solos curtos. Cinco danças para cinco afetos: Ehre/ Eitelkeit (Orgulho/Vaidade), Begierde (Desejo), Hass (Ódio), Angst (Medo), Liebe (Amor).Encontrei estas danças pela primeira vez há seis anos atrás, em São Paulo. Em um vídeo de 1967, vemos Dore Hoyer dançando os Afectos Humanos para um programa de televisão. Começa aí, para mim, uma investigação sobre esta artista. Descubro que ela cometeu suicídio logo após esta gravação, que ela dançou para Mary Wigman, que ela deixou para trás um trabalho múltiplo, composto principalmente de solos, e que ela continua sendo, ainda hoje, uma figura secundária da dança Alemã.
Alguns anos depois, comecei a aprender, por conta própria, os cinco solos que compõem o ciclo Afetos Humanos. Mais tarde, a fim de dançá-los diante de um público, trabalhei com o coreógrafo Martin Nachbar, autorizado a transmiti-los para mim. Um longo caminho para que estes gestos se tornassem meus, para encontrar o meu dançar dentro do dela. Entendi que se eu não pudesse fazer tudo o que queria com estas danças, nada me impediria de ser quem eu desejava.Encarnar as danças de Dore Hoyer não é para mim uma questão de restituição, mas sim que de uma investigação que não procura fechamento.

Por e com Pol Pi | Concepção, assistente e cenógrafo Pauline Brun | Dramaturgia e figurino Pauline Le Boulba | Iluminação Florian Leduc A partir de uma coreografia original de Dore Hoyer | Música Dimitri Wiatowitsch © Deutsches Tanzarchiv Köln | Transmissão da dança Martin Nachbar | Administração e produção Latitudes Prod. – Lille | Produção SEM DRAMA | Produção Executiva Latitudes Prod. - Lille

Pol Pi é um artista de dança brasileiro, sediado na França desde 2013. Ele está interessado em uma compreensão mais ampla do campo coreográfico, trabalhando a memória e temporalidade, linguagem e tradução, e a noção do acervo em dança, com um interesse particular por obras específicas.Pol estudou música clássica na Universidade de Campinas (Brasil), e, de 2013 a 2015, ele participou do mestre em coreografia "exerce" em Montpellier. Já atuou para Clarissa Sacchelli, Eszter Salamon, Latifa Laabissi / Nadia Lauro, Pauline Simon, Aude Lachaise e Anna Anderegg. Desde 2010, tem desenvolvido seus próprios projetos coreográficos, já apresentados em várias cidades e festivais do Brasil. Ele produziu e dirigiu as 5 edições do Free para o Festival de Outono de São Paulo (um projeto nocturno de arranhões) e trabalhou como músico profissional por mais de 10 anos. Na França, Pol criou o solo Ecce (H)omo (em março de 2017), Alexandre (em maio de 2018) e Me Too, Galatee (em outubro de 2018) já apresentado no Centre national de la danse, Festival Montpellier Danse, Musée de la Danse, Festival NEXT/Espace Pasolini, PACT Zollverein, La Raffinerie/Charleroi Danse, Vivat la Danse, Uzès Danse, Mac Val, entre outros.

VOLTAR